Total de visualizações de página

domingo, 6 de agosto de 2017

 Uma marginalização social e econômica nos tempos atuais


No século XXI existe uma restrição moral ainda muito forte a respeito de como o ser humano pode tornar-se mais evoluído fazendo uso do conhecimento. No senso comum, as matérias curriculares das escolas como por exemplo Matemática, Física, Geografia e etc. levam de forma quase que integralmente ao real conhecimento do mundo e da vida dos indivíduos que o habitam. Tal subdivisão de matérias e a noção de que tendo o máximo conhecimento das mesmas de forma racional faz o ser humano se desprender da superstição e alcançar o real saber, podem ser em parte atribuídas à Descartes. 

    Na verdade, tanto Descartes e Bacon, iniciam o pensamento moderno nesta área. O uso da ciência e de um método para conhecer a verdade que permeia o mundo, pode ser uma resposta àquele tempo, onde muitas vezes recorriam a meios não científicos( superstições, alquimia etc.) e que de acordo com estes autores não conseguiam chegar à uma resposta satisfatória, mesmo que parecesse e que muitas pessoas acreditassem. Tal pensamento de Bacon e Descartes realmente revolucionou a forma do pensar humano, mas um problema ocorre quando este pensamento é usado de forma quase que integral nos dias de hoje.

    Ao observar o mundo contemporâneo, como já exposto na introdução do texto, fica evidente a linha de pensamento adotado pela maioria das pessoas ao redor do mundo. Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo e o capitalismo cada vez mais presente no dia dia, pode se perguntar como uma pessoa que não possui interesse, ou realmente não se vê estudando as matérias curriculares, ser inserida em um mercado de trabalho. Inicialmente pode-se pensar que não existiria portanto uma vontade desta pessoa de adentrar em tal mercado, mas nos dias de hoje com o capitalismo e a sociedade de consumo cada vez mais brutal, é quase que inconcebível esta ideia inicial. Mas então como tais pessoas , ou seja, pessoas que não possuem este interesse particular, mas interesse por exemplo na área da pintura, música, artes plásticas e outras áreas que não se enquadram em matérias curriculares, teriam sua forma de pensar ou de ver o mundo valorizadas ?

    Com o pensamento moderno de Descartes e Bacon, transportado para um viés capitalista de mercado e muitas vezes usado para formar pessoas capazes de gerar riqueza e fazer a economia rodar, fica difícil a inserção de tais pessoas com aptidões diversas, tanto em algum tipo de mercado , pois não seria lucrativo na visão de algumas pessoas, como também na própria convivência social, pois no senso comum tais pessoas seriam à margem do que seria a real utilidade do estudo, da perseverança, do esforço e da riqueza em geral.



Gabriel Martins Raposo............................................................. Direito 1ano Noturno




Nenhum comentário:

Postar um comentário