Total de visualizações de página

domingo, 6 de agosto de 2017

Observe e Absorva

A ciência, grande propulsora do conhecimento racionalizado, é de dificultosa descrição, pois seus objetivos e surgimentos possuem diferentes raízes. Tendo como caráter de transformação do mundo, a ciência traz consigo a especulação, a investigação, a experimentação e a comprovação de fatores sociais e naturais por meio da racionalização lógica do pensamento humano.

A capacidade racional se tornou mercadoria no mundo atual, dado o modo de produção capitalista, em que é requisito mínimo para ser um bom cidadão cooperador do sistema, ter um conhecimento empírico e acadêmico razoável. Há grande e recorrente discussão sobre a absorção de tal conhecimento: é possível construir uma estrutura racional a partir somente do senso comum? É pertinente dizer que o conhecimento é impossível aos indivíduos que não possuem acesso à educação básica teórica traduzida nas escolas das comunidades atuais?

Como diz o artista nacional Criolo em uma de suas canções: “Cada maloqueiro tem um saber empírico “, o que procede por: “Respeitar nossos princípios, tem mais Deus pra dar que cês tudo num penico”. As frases exprimem o desejo de uma classe que procura uma visão social e a revolta de não possuir o alcance das grandes oportunidades e dos grandes reconhecimentos obtidos por diversos indivíduos imorais da sociedade, que se encontram em uma classe dita como “superior”. O discernimento adquirido pelos integrantes da “ralé” se baseia nas experiências cotidianas, no que visualizam e vivem todos os dias. O conhecimento do dia-a-dia, do sociável, do palpável, do investigável, do visível é algo a ser afirmado.


É possível concluir que, mesmo encontrando-se distantes das informações científicas e globais, os que não têm um conhecimento acadêmico elevado possuem sim um sentimento de crítica e uma erudição social grandiosa, muitas vezes maior que daqueles que estudam, vivem o mundo, mas não o observam. O nível de cidadania não deve ser contemplado pelo saber escolar. O conhecimento transcende as limitações de linhas, algoritmos, páginas, expressões e linguagens. 


Izadora Barboza Maia - 1º ano Direito/ Noturno

Nenhum comentário:

Postar um comentário