Total de visualizações de página

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Durkheim: Aulas 5 e 6

Durkheim desconstrói a ideia que temos de sermos seres únicos e individualizados. Em sua obra, As Regras do Método Sociológico, discorre sobre o que chamamos de personalidade, a qual para ele só existe para determinar por qual grupo social o indivíduo será coagido. E o autor explica que essa falta de particularidade se deve ao conceito de “fato social”, mais precisamente nas palavras de Durkheim, é “toda maneira de fazer, fixada ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior” e, muitas vezes, essa força externa não é de escolha do indivíduo, é imperceptível e da qual o indivíduo não consegue se libertar.
Ainda nessa obra, Durkheim trata da superioridade da sociedade em relação ao indivíduo. Para ele, os fenômenos sociológicos não podem ser explicados pela psicologia, como defendem alguns autores, pois esses fenômenos exercem uma pressão exterior a cada indivíduo, e, portanto, não poderiam derivar de suas consciências particulares.
O todo não é igual a soma das partes, assim sendo a soma de indivíduos não constitui a sociedade, pois esta uma vez formada constitui um “ser psíquico” que exerce coerção no modo de agir das pessoas. Um ser fora dessa coletividade pensará e agirá de modo diferente. Portanto, para estudar os fenômenos sociais devemos partir desse “ser psíquico” formado, não dos indivíduos.
O sociólogo ainda versa sobre o conceito de “causa eficiente”, o qual explica os fatos sociais através da função que exercem socialmente. Essa função está ligada aos objetivos desses fatos, sendo que um deles é manter a coesão e a disciplina social.
A partir do exposto e do estudo sobre Durkheim, chegamos a conclusão de que aos seus olhos a individualidade é muito insignificante diante à coerção que o “fato social” exerce sobre cada indivíduo da sociedade. E, portanto, não devemos concentrar no indivíduo o estudo dos fenômenos sociais, como é proposto pelo método psicológico, pois a sociedade está acima do indivíduo. 

Aluna: Juliana Furlan de Carvalho - 1º Ano Noturno 

Nenhum comentário:

Postar um comentário