Total de visualizações de página

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Não recomendado

Uma foto uma foto
Publicada no jornal pela manhã
Uma foto uma foto
Na denúncia de perigo na televisão

A placa de censura no meu rosto diz:
Não recomendado a sociedade
A tarja de conforto no meu corpo diz:
Não recomendado a sociedade

Pervertido, mal amado, menino malvado, muito cuidado!
Má influência, péssima aparência, menino indecente, viado!

A placa de censura no meu rosto diz:
Não recomendado a sociedade
A tarja de conforto no meu corpo diz:
Não recomendado a sociedade

Não olhe nos seus olhos
Não creia no seu coração
Não beba do seu copo
Não tenha compaixão
Diga não à aberração

A placa de censura no meu rosto diz:
Não recomendado a sociedade
A tarja de conforto no meu corpo diz:
Não recomendado a sociedade

Autor: Caio Prado (Músico e compositor)

Muito mais fácil que compreender os fenômenos humanos é classifica-los como destoantes de uma normatividade estatuída ao longo da história, sendo assim o que foge do comum algo a ser encarado como anomalia comportamental. Isto é, tudo o que compõe o plano fático das relações humanas, a moral, a religião, o direito, convergem para os interesses do atual sistema econômico e social.


Em sua analise histórica, Weber destaca a importância das instituições morais - dentre elas a de maior relevância, a religião cristã - no processo de constituição do sistema capitalista pós revolução industrial. Segundo ele a lógica cristã conforma-se tal sistema, de modo que o que afeta a moral, afeta diretamente o sistema e seus engendramentos.


A questão da transexualidade, conteúdo desta discussão, definida pela OMS como "transtorno de identidade de gênero" não é assim compreendida por que é um fato científico, muito pelo contrário, na verdade está definição ganha uma roupagem de "fato", por que assim conserva-se a ordem prezada. Não se pode excluir que a ciência também está inserida nesta lógica sistêmica. Sendo a transexualidade um fenômeno que rompe com o normativo, e por normativo entende-se o que converge para a lógica do sistema e seus componentes, a "racionalidade" (ciência) produzida dentro do aparato ideológico de tal ordenamento vem para colocar estes indivíduos na cruel condição de aberração, como destacada na música de Caio Prado aqui apresentada.

Como bem analisa Weber, está racionalidade científica recebe importantes impulsos dos interesses capitalistas ligados à sua aplicação prática na economia. O individuo que então se compreende num gênero diferente do sexo biológico dentro da lógica binária, nada mais é sob a ótica da conservação do sistema e de seus interesses, que um duplo desviante, porque infringe a moral cristã e porque ao não se identificar com seu gênero este rompe com sua sociabilidade normativa e com o seu papel dentro do mercado que é consideravelmente designado por seu gênero, uma vez que não se pode  excluir que o gênero é outro componente da divisão de atribuições dos indivíduos no mercado, lógica esta decorrente da opressão exercida pelo patriarcado  e novamente respaldada pelas instituições morais e religiosas dentro  do sistema capitalista.

Uma vez demonstradas as incongruências dessa definição com o plano fático, caberia apenas ao direito, dentro da concepção de Weber de que este deve constituir um sistema ‘sem lacunas’ de disposições jurídicas ou conter tal sistema em estado latente, compreender substancialmente todos os fenômenos humanos  de modo a abstrair de uma constelação de fatos, uma lógica jurídica que compreenda a humanidade e suas múltiplas subjetividades, rompendo com a lógica jurídica viciada pela estrutura sistêmica que atende aos interesses de quem o opera em detrimento dos que são tolhidos da própria dignidade humana, por simplesmente não se enquadrar na lógica vigente do capital.

Lucas Tadeu Ribeiro Efigênio - 1º Ano - Noturno


Nenhum comentário:

Postar um comentário