Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Títeres sociais



         “O grupo pensa, sente e age de maneira bem diferente do que o fariam seus membros, se estivessem isolados. Assim, se partirmos desses últimos, nada poderemos compreender do que se passa no grupo.”
            A frase de Émile Durkheim fundamenta parte do entendimento do texto “As regras do método sociológico”, escrito pelo próprio. A leitura dos textos do francês traz uma visão distinta sobre a sociedade na qual vivemos, bem como uma reflexão: é preciso notar até que ponto vivemos nossas próprias vidas. Para o sociólogo, como visto, membros de um grupo agem de maneira completamente distinta da qual agiriam conquanto isolados. Ao trazer esse pensamento para o mundo contemporâneo, caracterizado pela globalização e pela formação de grandes blocos sociais, não é possível saber se as ações tomadas no dia a dia tratam-se de sua vontade enquanto indivíduo ou correspondem à ações “forçadas” pelo “grupo”, sendo este a sociedade.
            Para Durkheim, a resposta para este pensamento é clara: todo ato do indivíduo decorre da “coerção social” sofrida por este, tal qual uma marionete controlada por esta coerção. Segundo o autor, “Os fins sociais não são simplesmente o ponto de encontro dos fins individuais; são antes contrários a eles. Assim, para fazer o indivíduo buscar esses fins, é necessário exercer sobre ele uma coerção, e é na instituição e na organização dessa coerção que consiste, por excelência, a obra social”.
            Trazendo a tempos atuais tal pensamento, este se torna, talvez, ainda mais lógico: com a ação de meios de comunicação de massa, principalmente, surgem ainda mais cordéis capazes de manipular os títeres, visto que grandes parcelas da população deixam de ser membros isolados, passando a ser um grupo e, desta maneira, como sugerido por Durkheim, agir de maneira completamente distinta da qual agiriam quando longe da coerção social. Pode-se pensar, portanto, em última instância, na formação de uma imensa sociedade de marionetes, controlada pelos fatos sociais.

Gabriel Cândido Vendrasco - 1º  ano Direito - Matutino


Nenhum comentário:

Postar um comentário