Total de visualizações de página

domingo, 13 de agosto de 2017

Uma relação entre Positivismo e Religião

O positivismo de Comte traz uma proposta inovadora no que diz respeito ao olhar dado ao conhecimento. Diferenciando os estágios da forma de observação do ser humano em: Teológico, Metafísico e Positivo, Comte tece sua teoria que possui centro no uso da observação e da forma científica do pensar para atingir ao real conhecimento do mundo, o estagio Positivo. Nesta ideia pode-se pensar num primeiro momento que o Positivismo diferencia-se brutalmente do pensamento religioso, porem com o passar dos tempos o positivismo tem sido defendido praticamente da mesma forma que a religião, sendo blindado por algum tipo de força superior que paira o ser humano, e portanto cada vez mais sua aplicação torna-se dogmática.

De acordo com o Positivismo de Comte, a Religião seria apenas um estagio da humanidade que tem como função explicar fenômenos aparentemente sem explicações terrenas e tangíveis. Com a evolução do pensamento, a humanidade passa por uma transição, o estágio Metafísico. Este estágio apenas serve de passagem para o terceiro e principal estágio do pensamento, o Positivo. Seguindo o raciocínio de que quanto mais o pensamento da humanidade evolui, menos preso aos dogmas religiosos eles ficam, uma vez que são apenas explicações criadas pelos homens sem qualquer tipo de método científico ou amparo na realidade, o terceiro estagio deveria ser essencialmente científico e amparado na observação do mundo real.

O grande problema dessa questão está no fato de que muitos seguidores do Positivismo, ao longo dos anos, têm feito de tal escola do pensamento um verdadeiro dogma, aplicando-o em variadas situações de forma categórica. Quando alguma teoria tenta explicar qualquer situação, se não todas, ocorre um serio problema neste sentido, sua aplicação passa a ser de certa forma dogmática, assim como no que os positivistas criticavam a religião. Isso ocorre pois a teoria aplicada não deixa que a própria razão explique a situação presente, ou seja, esta forma categórica e incisiva acaba por ser usada de forma análoga a um preceito religioso.

Esta aparente hipocrisia relatada tem algumas explicações. Augusto Comte quando começou a propagar o Positivismo, acabou por criar uma verdadeira adoração por parte de seus seguidores. Começou-se a serem criados templos para a discussão das ideias e eventualmente algo similar a uma religião. Até mesmo no Brasil ainda hoje existem templos positivistas que podem evidenciar essa certa semelhança no que no inicio pareciam totalmente dicotômicos, o positivismo e a religião.




Gabriel Martins Raposo............................. Direito - Noturno 1ano









































































 

Nenhum comentário:

Postar um comentário