Total de visualizações de página

domingo, 13 de agosto de 2017

Progressista e... Paliativo?

Contrariando o posto por Hegel, a história prossegue sem se aproximar de seu fim mesmo que um suposto equilíbrio e igualdade jurídica mostrem – timidamente – seus traços em nossa sociedade, sendo, para tal, necessárias determinadas rupturas, tanto no campo do agir quanto no campo do pensar.
O início da sociologia mostrou-se como uma ruptura com o que antes se tinha como conhecimento, agrupando apenas em cientificismos e exatidões o que se sabia do mundo. Não tratou-se do uma revolução ou descarte drástico de tudo-o-que-já-lhes-ensinaram, mas uma tentativa de expansão para o campo social. Assim sendo, parece-me muito estrito enxergarmos pelas lentes do século XXI a escola precursora da própria sociologia, o Positivismo.
Sob uma ótica mais branda, há de se considerar que o caminho da humanidade não foi apenas calçado por pedras e paus revolucionários, de modo que a importância de reformas não deve ser excluída, tal como as reformas de âmbito intelectual.
O quão difícil faz-se mudar um regime de pensamento secular? O quão gradual devem ser as colocações para que o mínimo de aceitação surja? De que adianta radicalizar um progresso que seja incompatível? Apoiando-nos nesses questionamentos tornamo-nos mais aptos a compreender o progresso sociológico, partindo de Comte.
Infelizmente, alguns insistem que nas veias do corpo social apenas corre o cerne revolucionário, sem se atentar a sua célula principal: o indivíduo, sempre tendencioso a atingir o equilíbrio. Desse modo, o anacronismo e a tentativa de transpor conceitos pós-modernos ao julgar simploriamente o movimento positivista mostra-se incompleto e até injusto. Cabe aí, uma análise despida de preconceitos, o que não a isenta de um olhar crítico; reconhecendo, conquanto a importância não só dos largos passos no caminho do pensar, mas também dos menores iniciais, imprescindíveis ao avanço dos estudos sociais.


Rúbia Bragança Pimenta Arouca 
1º ano Direito diurno

Nenhum comentário:

Postar um comentário