Total de visualizações de página

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Percepções que solidificam comportamentos

           Na conjuntura nacional e mundial à qual estamos inseridos, muitas vezes não há atento sobre a presença da racionalidade e da ciência no mundo moderno. No entanto, tal forma de pensar é muito mais frequente e abrange quase toda a sociedade. Esse costume começa a ganhar forma com a proposta de René Descartes e Francis Bacon, que a partir de suas épocas, começam a questionar itens fundamentais como o entendimento, retomando conceitos antigos e criticando os filósofos que aceitavam a razão como fonte verdadeira para todas as indagações. Consubstancialmente, a partir disso adquire-se a confirmação de verdades de acordo com a capacidade ontológica do homem, guiada pela experiência. Na mesma medida, e partindo do pressuposto do Direito enquanto ciência, isso permitirá uma nova fase em que começa a ser marcado o Direito para os homens, e não mais baseados na religiosidade e em algo superior.
           Todavia, ainda que pareça que nossa sociedade ultrapassou conceitos que foram refutados há muito, é notório que muitos preceitos continuem a atuar em diversos cenários. Quando Bacon trata dos ídolos (falsas percepções do mundo) e de suas atuações, é possível trazê-lo para a realidade até em situações banais. A exemplificar os ídolos da tribo, que podem ser encontrados nas relações partidárias que abalam a sociedade brasileira há alguns anos; ídolos da caverna (referência ao “mito da caverna” de Platão), em que se encontram costumes de diversas famílias brasileiras por pessoas mais antigas e que cresceram em situações antônimas às vivenciadas hoje; e até mesmo os ídolos da feira e do teatro, nos quais observa-se as relações comerciais e as ilusões que abrangem um número considerável de indivíduos, como a astrologia, que pode ser encontrada em ambos os últimos. Além disso, podemos perceber questões refutadas por Descartes e Bacon até mesmo em votações no senado, ou na câmara, em que deputados e senadores justificam suas ações por intermédio de figuras divinas.
           Dessa forma, Francis Bacon e René Descartes foram grandes inovadores em suas ideias e contribuíram muito para a ciência que se conhece hoje. Ainda que alguns princípios não foram quebrados, a sociedade caminha positivamente para a eliminação dessas formas rústicas do pensamento. Contudo, é questionável o enfoque que o ensino tem para os membros de uma sociedade e daqueles que são eleitos para administrá-la, pois tais preceitos ultrapassados se perpetuam através da ignorância e da falta de aprendizado sobre as diversidades do pensamento e das bases científicas, o que só é passível de mudança através dos sucessores da população.

Michelle Fialkoski Mendes dos Santos - 1ª ano - Direito Matutino  

Nenhum comentário:

Postar um comentário