Total de visualizações de página

domingo, 6 de agosto de 2017

Ídolos da Ciência

          O século XVII representa, sem dúvidas, um grande divisor de águas no estudo da metodologia científica, uma vez que é nesse período que René Descartes e Francis Bacon fazem suas proposições teóricas. É fato que suas linhas de pensamento possuíam divergências substanciais, porém o discurso de ambos era unânime ao ressaltar a importância da neutralidade do cientista, devendo este se livrar de suas crenças e paixões de modo a não guiar suas pesquisas por subjetividades ou preceitos pessoais.
Nesse contexto, Bacon define ídolos que cercam o indivíduo por diversos lados e o distorcem a visão, colocando em xeque sua neutralidade e confiabilidade. Há, neste sentido, aqueles que se consideram verdadeiros servidores da ciência, invulneráveis a tais desvios e fiéis ao processo de estudo, dedicando sua vida a seu desenvolvimento e defesa. Esses mesmos, que se julgam verdadeiros cientistas, elevam estudos à categoria de textos sagrados e teóricos ao patamar de deuses, criando na ciência seu próprio ídolo baconiano.
Tais devotos se recusam a aceitar a refutação de suas divindades, e em cada discordância orientam seus estudos para provar que a palavra de seus ídolos se mantenha prevalecedora, ignorando a neutralidade propagada por Descartes e Bacon. Um grande exemplo desse fenômeno ocorre quando Albert Einstein, até então um mero mortal, parte do pressuposto de que Isaac Newton estava errado, e publica sua Teoria da Relatividade. Insultados, os crentes newtonianos não aceitam tal profanação e, ao invés de verificarem a nova teoria, se recusam a aceitar tal suposição. Apenas anos depois a teoria de Einstein passa a ser aceita e este passa a ter seus próprios seguidores.
Deste modo verifica-se que as lentes distorcedoras da visão científica não se encontram apenas em outros fatores, mas podem também estar na própria ciência, a partir do momento em que a crença em uma ideia supera o viés questionador da construção do conhecimento, formando teóricos intocáveis e comprometendo toda a produção intelectual desse meio.

Paulo Victor Cincerre de Godoy
1º Direito - Diurno

Nenhum comentário:

Postar um comentário