Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

                                Ciência x Bacon


Bacon... Hummmm.... O sabor e a crocância desse alimento fazem com que alguns jurem que ele foi um presente de Deus para os humanos. No entando, como tudo que parece ser bom tem um preço, os amantes de bacon devem se preocupar muito com a saúde. Vários estudos observacionais mostram uma ligação entre o consumo de carne processada, doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer. Segundo descoberta de cientistas suecos do Instituto Karolinska quem come duas fatias de bacon por dia tem 19% mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que quem não come o alimento com a mesma frequência. Tal fato, me leva a pensar: será que foi essa foi a única vez que a ciência foi contra o Bacon???

Para o pensador do século XVI Francis Bacon, durante a análise de um objeto, as primeiras impressões, por ele chamadas de antecipações, são preferíveis à análises pautadas na interpretação do mesmo. O autor defende esse ponto de vista, dizendo que as antecipações “sendo coligidas a partir de poucas instâncias e destas as que mais familiarmente ocorrem, desde logo empolgam o intelecto e enfunam a fantasia”. Enquanto que as interpretações, contrariamente, são resultados de múltiplos fatos, por isso não tocam o intelecto, podendo parecer até quase tão duras e dissonantes quanto os mistérios da fé.

Relacionando esse aspecto pensamento do autor à questão das relações dos indivíduos em uma sociedade, me indago: mas e quando tratamos de pessoas invés de objetos? A teoria de Bacon ainda faz sentido? Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Basel, na Suíça, as pessoas avaliam umas as outras dentro de milissegundos, decidindo se gostam de alguém ou não. De acordo com publicação na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), certos processos subconscientes no cérebro, e a ordem em que ocorrem, determinam como os seres humanos processam a informação social, como simpatia ou antipatia. Então pensemos, qual a base para esses julgamentos que nosso cérebro realiza quase que instantaneamente? Segundo o dicionário simpatizar significa ter afeição, interesse, afinidade ou inclinação por (alguém, um animal ou algo). Portanto, podemos dizer que a base para esses julgamentos em que a pessoa recebe um primeiro julgamento não favorável é que essa pessoa não possui características que nos causem afeição, certo?! Além disso o sentimento de afeição nos é causado por meio de percepções assimiladas como positivas ou negativas que desenvolvemos ao longo de nossa vida.

Em síntese, não estaria a ciência contrariando o Bacon novamente ao provar que nossas antecipações não são mais do que interpretações, realizadas de maneira extremamente rápida pelo nosso cérebro, de características que devido a alguma lembrança de um momento em nossa vida nos causam sentimentos bons ou ruins, que se traduzirão em simpatia ou antipatia?!!



Luiz Felipe Fermoselli Andreotti, 1º ano Direito Noturno

Nenhum comentário:

Postar um comentário