Total de visualizações de página

sábado, 6 de agosto de 2016

Émile Durkheim, um conservador histórico

Émile Durkheim foi um sociólogo e psicólogo francês, e acima de tudo pode ser considerado um dos antropólogos mais importantes, e famosos, de todos os tempos, pois foi um dos primeiros a produzir uma análise livre das sociedades e dos organismos sociais.
Segundo a visão durkheimiana, os indivíduos são meros reprodutores de uma moral social. Essa moral social é também conhecida como fato social, é algo que o indivíduo reproduz socialmente, em suas relações sociais, algo que a sociedade impõe nele.
Durante muitos anos não se discutia a vontade da sociedade e a capacidade que ela tem de coerção. Durkheim, durante suas analises, evidenciou que os seres viviam sob regras, sob comportamentos pré estabelecidos por instituições e órgãos que são responsáveis por manter a estrutura, ordem, e a moral social.
Como cursante de Direito e baseando-me nas reflexões durkheimianas devo expressar o papel do Direito na sociedade. Visto que o Direito é responsável por ditar regras de comportamento, é também, por consequência, uma forma de coerção social, mais do que isso é um fato social coercitivo. E vou além, é um dos mais fortes e importantes, por se tratar de um dos três poderes. Ele é quem comanda as atitudes dos indivíduos e é encarregado de proteger a moral social. De que forma? Exercendo o Direito Penal, por exemplo. Quando o indivíduo não respeita a moral social ele é marginalizado, e com o direito, os outros indivíduos da sociedade tem a oportunidade de exclui-lo socialmente e evitar que esse desestabilize os outros indivíduos.
Por fim, vale ressaltar que Durkheim acredita numa sociedade conservadora. Para ele, as instituições se modificam conforme necessitem, de forma gradativa e segundo o momento histórico, ou seja, para analisar uma sociedade é preciso estudar sua história. É nesse ponto que ele é reconhecido mundial, e historicamente, para o estudo antropológico. 

Cursante: Estevan Carlos Magno - 1 ano Direito Diurno

A Imprescindibilidade do Fato Social

Pode-se afirmar, sem sombra de dúvidas, que toda a análise de Émile Durkheim remete à ideia do Fato Social. Para este autor, o Fato Social é de suma importância para a compreensão da sociedade, devendo, por este motivo, ser tratado como coisa.

Considerado por muitos o pai da Sociologia, Durkheim traz uma concepção interessante acerca da ciência humana. O pensador afirma que deve-se, primeiramente, realizar uma observação profunda do objeto estudado (no caso, o fato social) para, apenas posteriormente teorizar sobre o assunto. A análise deve ser feita partindo das coisas para as ideias - nunca o contrário.

É interessante estabelecer a dialética entre a visão social de Comte e de Durkheim. Para este, a sociedade é algo relativo, sendo que cada grupo social possui suas próprias características. Já Augusto Comte trata a sociedade como algo universal. Na sociologia moderna, é certo afirmar que um estudo baseado na concepção Durkheimiana certamente renderá mais e melhores frutos, já que a essência da sociologia é o estudo das particularidades possuídas por cada conglomerado social. Ora, muito pouco (ou mesmo nada) caberia à sociologia se todas as sociedades fossem idênticas.

Outro ponto bastante importante na obra de Durkheim encontra-se na maneira com a qual o autor trata a psicologia. Émile reitera que as explicações encontradas para os fatos sociais residem - única e exclusivamente - em outro fato social. Sendo assim, toda análise produzida pelo psicologia acerca deste objeto de estudo tende a ser errônea.

Conclui-se, desta maneira, que o legado de Durkheim é importantíssimo para entendermos como funciona e como deve funcionar o estudo social. Sua obra renova a ideia de Sociologia, mostrando-se de grande relevância à contemporaneidade.


Thales Flausino Alves Ferreira - Direito (matutino), 1º ano.

Práticas do universo feminino e sua conexão com a explicação dos fatos sociais

Nas primeiras leituras da obra do sociólogo francês Émile Durkheim, percebemos o quão importante é a coletividade para seus estudos. Através da observação de grupos sociais, ele desenvolveu o termo “fato social”, o qual diz respeito a todo tipo de força que age sobre os indivíduos, seja no modo de pensar, agir ou sentir, obrigando-os a adequar-se aos comandos da vida em sociedade. Todavia, para que algo pode ser classificado como tal precisa atender a três critérios: generalidade, exterioridade e coercitividade. O primeiro deles refere-se à existência dessa força para a coletividade e não apenas para um indivíduo dela; o segundo incide na estrutura à qual a pessoa é apresentada ao nascer e aprende no decorrer de seus dias, tais como a escola, sistema financeiro, leis etc.; o último representa uma característica relacionada ao poder do qual os padrões culturais de uma sociedade utilizam-se para impô-los aos seus membros integrantes.
Apresentados ao fato social, é hora de instigar a curiosidade e partir para a busca da explicação relativa a ele e suas funções. Uma vez que os fatos sociais derivam da própria natureza social, é lógico deduzir que suas demandas surgem em função das necessidades gerais e intrínsecas ao organismo social. Por exemplo, a pílula anticoncepcional é amplamente utilizada por mulheres brasileiras e sua receita é prescrita pela categoria médica mesmo diante das notícias de que suas substâncias são prejudiciais à saúde da mulher. Diante deste cenário, novos métodos contraceptivos mais saudáveis e naturais têm surgido para comportar a demanda de consumidoras preocupadas com o seu bem-estar. Da mesma forma ocorreu com a técnica de lavar os cabelos sem sulfatos, parabenos e petrolatos que impulsionou os fabricantes de produtos higiênicos a atender o novo público emergente.
Em suma, para desvendar os mistérios acerca da explicação do fato social é necessário investigá-los em seu interior e considerar que seus componentes humanos são constituídos por uma justaposição da densidade mecânica e da dinâmica, os quais, quando transformados, modificam as condições gerais de existência nas sociedades 


Fontes: http://naturalvibe.com.br/anticoncepcional-natural/
http://www.hypeness.com.br/2015/04/pilula-anticoncepcional-os-grandes-perigos-escondidos/
http://www.portalodia.com/noticias/saude/mulheres-aderem-a-tecnica-de-low-poo-e-no-poo-em-busca-de-cabelos-saudaveis-258506.html
http://epoca.globo.com/vida/noticia/2016/08/universitaria-sofre-trombose-cerebral-depois-de-tomar-pilula-conheca-os-riscos.html

Letícia Felix Rafael - 1º ano, Direito (noturno) 

Apenas um Fato Social


Uma sociedade marcada não apenas pelo individualismo e do imediatismo, através do falso contato pelas redes sociais, mas também de influências de potências mundiais, movido por espíritos e instituições, como exemplo a mídia, que usa símbolos para a manipulação e alto abastecimento de um ego mundial para que o sistema não entre em colapso guiada por uma moral.
Mas qual sociedade e qual moral? Tudo dependeria do ponto de vista. Assim como um terrorista ao cometer um atentado guiado por sua moral. Pois, para Durkheim, a moral não é universal, e sim cada um seria guiado por um grupo social moldando sua conduta. E então, ele diria que isso é apenas um fato social, o qual deveria ser analisado em sua realidade.
Desse modo, seríamos descartáveis, marginalizados e denominados disfuncionais ao não se encaixar em suas “funcionalidades” e nem aceitar essa imposição? Não, seria apenas outro fato social, sendo explicado por Durkheim também, e então, analisado para chegar à causa desse problema. E se tudo isso fosse um lubrificante para que as engrenagens continuem girando normalmente e mantenha essa imposição, e assim, ninguém perceba tal feito?
                                         

                                                                                Paulo César de Oliveira Borges
                                                                                1º ano Direito - Noturno

 Organismo Social 

      Emile Durkheim desenvolveu uma sociologia explicativa, não enaltece, muito menos crítica a forma que a sociedade se desenvolve, ele a explica através de uma interpretação minunciosa e profunda. A sociedade observada por Durkheim, assim como o corpo humano é composta de várias partes, vários órgãos, cada parte cumpre uma função metodológica em relação ao todo; família, religião, escola, governo, exército, são instituições que cumprem um papel para o bom funcionamento da sociedade.
       As partes ou instituições, são os fatos sociais, que existem em função do todo, ou seja, em função da sociedade. Se uma dessas instituições deixa de exercer sua função corretamente pode levar toda a sociedade a um colapso, a uma infecção gereneralizada. Se a educação não está sendo tratada com a devida importância, com descaso, isso reflete na formação social, gerando uma rede de maus funcionamentos. Dessa forma a finalidade da Sociologia para Durkheim é encontrar remédios para regularizar a vida social. Uma vez que, a sociedade, como todo organismo, apresenta estados normais e patológicos, saudáveis e doentios.
      Em uma sociedade normal, saudável, os fatos sociais não ultrapassam os limites do comum, refletem os valores e costumes aceitos pela maioria da população, já em uma sociedade patologica, doente, os fatos sociais ultrapassam o limite da moral vigente, assim como as doenças, são considerados transitórios e excepcionais. A exemplo, de acordo com Durkheim, a criminalidade é um fato social comum, que integra toda a sociedade, podendo se tornar patológico se atingir taxas elevadas. À interligação de fatos sociais que garantem o funcionalismo acontece em ciclos ao longo da evolução da sociedade, a partir da educação, que tem justamente por objetivo formar o ser social.
      Sendo assim, como boa parte dos cientistas biologicos, Durkheim isola o organismo estudado e o destrincha, buscando compreender o que garante ou abala o seu funcionamento.



Jéssica Xavier 
1 ano noturno