Total de visualizações de página

sábado, 2 de abril de 2016

O Comte de hoje

           Auguste Comte é considerado o fundador da filosofia positivista ( ou cientificista ). O filósofo acreditava em uma ideia de progresso, isto é, a humanidade está em constante progresso, até alcançar um fim comum. Para isso, o pensador estabelece estágios de desenvolvimento: O teológico, que vincula-se com a ideia de obtenção de respostas por meio da religião; o metafísico, o qual esclarece suas dúvidas com o auxílio da filosofia; e por último o positivo, o qual se utiliza da ciência.
          A ideia do pensador de que existiriam graus do desenvolvimento de uma sociedade, hoje, é considerada eurocêntrica e incorreta. Entretanto, digerindo essa ideia de desenvolvimento conjunto, e caminho a ser trilhado para alcançar o progresso, me pergunto: Até que ponto isso é realmente errado?
         O advento da globalização integrou o mundo como nunca antes. A cada dia o mundo se encontra cada vez mais interligado e interdependente. Essa conexão mundial, de certa forma, direciona um bloco de nações para um destino comum. Isso porque, há muita influência de potências mundiais, como por exemplo os Estados Unidos, na economia, cultura e política de diversos países que integram a grande rede da globalização. É como se as potências mundias estivessem em um grau de desenvolvimento a qual o mundo deseja alcançar. Nesse aspecto, a ideia de progresso de Comte poderia ser adaptada para os dias de hoje.
        Sendo assim, observamos que, por mais eurocêntrico que posso parecer, o pensamento Comteano, quando desmembrado e observado na atualidade, poder ser motivo de debates e reflexões. Sendo assim, concluímos que o capitalismo e a globalização subsequente provoca a divisão e o progresso pelo capital que transporta as escrituras comteanas do século XIX para o XXI.

Guilherme Araujo - 1* ANO noturno

                                  A sociedade com um fim





  Teria o ser humano passado por todos os estágios de evolução? Para Comte, filósofo francês do século XIX, o homem teria alcançado sua evolução ao ser uma sociedade industrial, como a sociedade europeia de seu século. Para que isso ocorresse o homem teria passado por estágios de pensamentos: o teológico, a explicação dos fenômenos através do sobrenatural ( explicação pela mitologia), o metafísico, o sobrenatural é substituído pelo abstrato até chegar no positivo, o real em contraposição ao quimérico, o estudo dos fatos de como ele ocorre e não o porquê.
  
  Contudo, há um aspecto natural a qual o homem não é capaz de evitar ou suprimir, as leis naturais do homem, as leis normativas. A padronização das sociedades, que há alguns aspectos presentes em todas elas como a cultura, a hierarquia, as regras sociais, a autoridade e a comunicação, é responsável pela ordem e consequentemente levará ao progresso, quando essa ordem é recorrente e repassada  através da educação.

  Todavia, atualmente, as paixões humanas e a cordial, relativo ao coração, sociedade brasileira têm influenciado a ordem e prejudicado o progresso. A falta de profissionalismo e a não priorização do racionalismo em debates políticos, por exemplo, impedem o aprofundamento no assunto e acaba por perder a oportunidade de planejar, estruturar uma forma de nós, como Nação, retomar o progresso. O que torna o lema da bandeira brasileira, ordem e progresso, uma grande propaganda enganosa ou uma utopia. 

  Dessa maneira, a sociologia, ciência física social,criada por Comte, é responsável por estudar todos os movimentos da sociedade e de certa forma tentar fazer com que o homem compreenda a sociedade em que vive e o papel que ele exerce.Para que a sociedade consiga alcançar o seu desenvolvimento. Através da ordem ela chegaria ao progresso. "Nenhum grande progresso pode efetivamente se realizar  se não tende finalmente para a evidente consolidação da ordem" o filósofo prioriza a ordem e a harmonia na sociedade em contraposição às revoluções e rebeliões.

  Uma forma de manter  essa ordem é de cada cidadão, através do trabalho, ocupar o seu lugar e sua função no Estado, contribuindo, dessa forma, para o progresso. No entanto, quando indivíduos não contribuem para essa evolução e causam o efeito contrário, atrasam a sociedade, tornando-se empecilhos, é dever do Estado identificá-los, corrigi-los e reinseri-los na sociedade. Algo que não procede no Estado brasileiro, a incapacidade de aplicar esses dois últimos estágios é histórico e não se encontrou, ainda, uma maneira efetiva de obter sucesso na reinserção da pessoa humana, que de alguma  forma se perdeu e não conhece mais os valores básicos que construíram sua sociedade. 
  
  Comte, porém, ao trilhar o progresso da sociedade através do positivismo, ele congela e cria um roteiro para a evolução humana. A ciência positiva colocada como o fim do desenvolvimento humano resulta na não ciência e na criação de uma ideologia. Ao afirmar que o homem evolui gradativamente e que o desenvolvimento tem um fim, o filósofo coloca um ponto final onde não poderia haver, na própria evolução da sociedade que é infinita, enquanto a espécie humana existir. 
  




Lorena Maria aluna do primeiro ano do direito noturno.