Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Transição social

            Por uma série de vicissitudes sejam históricas, sociais, culturais e econômicas, a sociedade brasileira se erigiu orientada por um fio condutor desigual, fazendo com que essa desigualdade se capilarizasse pelo tecido social brasileiro, sobretudo, quando se pensa nos reflexos da escravidão para com os negros. Isso ocasionou uma relatividade em escala institucional e social, que requereu por parte do Estado ações com o intuito de reverter esse quadro, que serve de lastro para o desenvolvimento esmo de nossa sociedade. Nesse esteio, ganha relevo a política de cotas, que objetivam reparar esse quadro desigual.
            Essa questão nevrálgica para a sociedade brasileira e tudo que ela implica, possivelmente, encaixa-se no pensamento de natureza de transição de Boaventura de Sousa Santos, oriundo de um período de relatividade, que consiste em questões complexas por ela suscitadas não encontrarem um ambiente sócio-cultural condizente às respectivas respostas. Ou seja, por um forte preconceito que permeia em nossa sociedade, a política de cotas, apesar de todos os benefícios que traz encontra um movimento antagônico.
            Além disso, Boaventura é categórico ao sustentar: “Este não é um tempo propício à auto-reflexão. É provável que esta seja exclusivo dos que gozam do privilégio de a delegar aos outros. ” À luz da política de cotas, ainda que de forma incipiente, pode-se inferir que não há uma real sistematização lógica acerca do pensamento de sociedade tal qual o estruturado por Boaventura, um universo de interações autônomas e contratuais entre sujeitos livres e iguais. Não se percebe que o ingresso de negros em universidades de excelência é algo que estimulará o pluralismo social e a efetivação do contrato social.
            Por derradeiro, pode-se analisar os projetos de inclusão na universidade como algo que atinge “o magma mais profundo” de nossa estruturação social, na medida em que ao significar um implemento do papel social do Estado, inviabiliza o surgimento de “conservadorismo e uma maré ideológica contra a agenda da inclusão gradual e crescente no contrato social.”

           
Paulo Henrique Lacerda - 1ºAno - Diurno. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário