Total de visualizações de página

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A filosofia weberiana entre a racionalidade formal e material

Segundo a perspectiva de Max Weber existem quatro tipos de racionalidade que constroem a modernidade: teórica, prática, material e formal. Para o autor, o direito é a junção da formal e material. Dessa maneira, direito formal é artificialmente criado e estabelecido em normas, já o direito material são os princípios éticos, morais e religiosos.
A racionalidade formal do direito surge da necessidade da burguesia em legitimar suas ações. Weber, em sua obra "Ética protestante e o espírito do capitalismo" afirma que as estruturas do direito servem como racionalização do sistema de produção capitalista.
Podemos ver no caso julgado uma valorização intensa que a racionalidade formal atribui a ciência, pois em diversos momentos houve a necessidade de se recorrer a profissionais como psiquiatras e psicólogos que geraram atestados e laudos que comprovaram que a parte autora estava segura para a realização da cirurgia de transgenitalização.
Além de fundamento científico, a cirurgia é pautada no art. 13 do Código Civil, que autoriza a disposição do próprio corpo por exigência médica, autorizando, dessa maneira, a cirurgia. O grande problema encontrado nesse artigo é que ele deixa claro ser uma patologia, o que vem sendo contestado, pois não se trata de uma doença, e sim, de um problema social, gerando a necessidade de uma legislação específica para esses casos.
A formalidade existente no direito não consegue romper com a padronização sexual imposta pelas classes dominantes, gerando problemas sociais e psicológicos àqueles que não se encaixam nesses padrões. No caso em questão ambos os direitos coexistiram o que garantiu uma resistência à uma sociedade conservadora, reivindicando o direito da transexual.
Talita Santos Lira - direito diurno


Nenhum comentário:

Postar um comentário