Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de agosto de 2016


A coersão social como fator determinante do indivíduo em sociedade


  Émile Durkheim  foi um sociólogo, e filósofo francês, que dedicou seus trabalho ao estudo acerca do comportamento social, motivo pelo qual é citado como pai da sociologia moderna. Sua teoria, busca compreender e explicar como a coercividade é capaz de conservar a tradição de uma determinada sociedade em seus pilares aparentemente indestrutíveis, diante da evolução e das mudanças que acontecem em determinado espaço físico e social ao longo do tempo. 
     Para embasar sua teoria, e em suas palavras, Durkheim,  denomina de fato social, “toda maneira de agir, fixa ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior.” Ou seja, em sua acepção,  o homem está fadado a receber ordens diretas ou indiretas de comportamento, maneira de agir e pensar, e em todos os âmbitos de sua existência, desde  o momento em que nasce.  Portanto, para Durkheim, não somos completamente livres e independentes sobre nossas escolhas, uma vez que a tradição social está enraizada, e se mantém sólida através da coersão.
    Porém, para que um fato social, seja de fato considerado, é necessário que este cumpra três determinações fundamentais, denominadas por Durkheim como a coercividade – responsável pela imposição dos padrões culturais que uma sociedade impõe aos seus indivíduos, a exterioridade – pela qual defende-se que os padrões e a organização social são inerentes ao indivíduo, porque este quando nasce já está imerso em uma estrutura pré estabelecida, e por fim a generalidade – através do qual entende-se que os fatos sociais não cabem a somente uma pessoa, eles são parte de um grupo social maior e coletivo.
    Aproximando essa teoria da realidade atual, pode-se perceber como as instituições sociais, e a mídia, são responsáveis por manter e transmitir as ordens sociais, determinando regras, e impondo valores aos indivíduos, que se tornam elementos passivos dessa coerção, seguindo os valores impostos por ela, como se eles fossem tão essenciais e tivessem a mesma importância de um membro do corpo humano.

Tawana Alexandre do Prado - (1º ano Direito noturno)

Nenhum comentário:

Postar um comentário