Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Durkhein e a moda

Emile Durkhein, sociólogo autor de “As Regras Do Método Sociológico”, definiu fato social como “toda maneira de fazer, fixada ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior; ou ainda, toda maneira de fazer que é geral na extensão de uma sociedade dada e, ao mesmo tempo, possui uma existência própria, independente de suas manifestações individuais”. Ou seja, fato social é tudo o que é ensinado socialmente, inato, independente do individuo e geral em sua sociedade. Em outras palavras, ao nascermos, somente aprendermos a ser “humanos” quando somos ensinados a sê-lo, através da educação dos costumes, do idioma, da cultura, das leis, da moral e tudo o que pertencer à sociedade em que tal sujeito estiver inserido. Essas “regras” de como agir e se comportar já vigoravam antes de sua existência, e ainda existirão após sua morte. E tudo o que esse indivíduo aprendeu socialmente um dia será ensinado por ele à próxima geração, como por exemplo, ao seu filho.
Mas como os fatos sociais imperam com tal força na sociedade? seriam os individuos efetivamente dotados  de livre arbitrio? Ao nascer, não nos é dada a opção de qual idioma gostaríamos de falar, isso nos é imposto, e seria praticamente impossível fugir dessa regra. Ao nascer em uma família brasileira, aprende-se a falar português, e não alemão. Isso ocorre por conta da coerção social, que é caracterizada pela pressão ou repressão que a sociedade exerce sobre o indivíduo. E assim evidenciam-se as regras coercitivas que são impostas pela sociedade, caracterizadas pela impossibilidade de evitá-las. Essas podem ser claras, como é o caso das leis, ou, por serem hábitos diários, normalmente a coerção social dos fatos sociais não é perceptível, porém, são percebidas ao tentar resistir a tais normas. Assim sendo, os indivíduos não possuem opção de escolha livre e completa em suas próprias vidas.
Isso pode ser visto na forma como nos vestimos. Não se pode sair nu na rua, o que acarretaria na prisão de quem o fizesse, já que isso é contra a lei. Mas, também seria vítima da coerção social o individuo que optasse por vestir roupas do século passado, já que a moda nos dias de hoje é muito diferente. Tal indivíduo enfrentaria forte pressão social para que se encaixasse nos padrões atuais em relação à forma esperada de se vestir, como o restante da população faz.


Lígia Lopes Andrade - 1º ano direito noturno

Nenhum comentário:

Postar um comentário