Total de visualizações de página

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Durkheim, sociólogo do século XVII e XVIII, propôs a análise científica dos fatos sociais, “toda maneira de fazer, fixada ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior; ou ainda, toda maneira de fazer que é geral na extensão de uma sociedade dada, e ao mesmo tempo, possui uma existência própria, independentemente de suas manifestações individuais”. Para Durkheim, a sociologia deve ser tratada como ciência, observando os fatos sociais de maneira distante e metodológica, sendo que pré-noções obstaculizam a busca pela verdade científica sendo que o pós-positivismo proposto pelo sociólogo pode ser encarado como uma evolução da sociologia comtiana através da observação e análise dos fatos sociais como “coisas” que exercem uma coerção social frente ao indivíduo, ou seja, forças que acometem o sujeito, mesmo que contra sua vontade, a agir de determinada maneira.

A sociedade, por meio da educação, do direito, dogmas religiosos, sistema financeiro, etc. exercem sobre nós a referida coerção, mesmo que de forma indireta, e nos punem quando tentamos resistir aos conceitos impostos em uma tentativa de restabelecer a norma. Dessa maneira, para Durkheim, a maioria de nossas idéias e tendências não são elaboradas por nós, mas chegam e nos penetram de forma impositiva e ainda que possamos nos libertar dessas regras, isso só ocorrerá se houver uma luta para resisti-las, demonstrando assim a força de coerção, em razão da resistência que opõem, intrínseca aos fatos sociais. A sociologia durkheimiana pode ser observada ainda nas bases educacionais do século XXI, visto que o papel que as escolas tentam exercer sobre o indivíduo se assemelha a uma doutrinação, incutindo regras que aos poucos, de forma resignada, são interiorizadas, forjando o ser social e introduzindo valores sociais que não são aprendidos sozinhos. Em outro diapasão, podemos colocar a pedagogia crítica de Paulo Freire como resistência a típica educação da contemporaneidade, buscando a consciência política e dialética entre professores e alunos, a horizontalidade entre essa relação. O educando cria sua própria educação, deixando de seguir as imposições dos educadores.
O sociólogo Durkheim também se aprofunda na questão da causa eficiente, geradora do fato social. Prega que as intituições e as práticas sociais não surgem do nada, mas de necessidades que se vinculam ao ordenamento geral do organismo social. A causa eficiente pode ser facilmente observada entre o crime e a punição, em razão da última estar vinculada não ao delito, mas sim a resposta oferecida ao coletivo, visto a necessidade geral do organismo social em obter uma resposta a transgressão.


Ana Laura Joaquim Mendonça - 1º ano, Direito Diurno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário