Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Das causas eficientes e da pluralidade social

As múltiplas características que permeiam o pensamento de Émile Durkheim evidenciam o alto grau de complexidade e abstração necessário para entender o que o autor, de fato, propõe. Tal requisito torna-se ainda mais essencial quando se trata, por exemplo, da oposição social entre causa e consequência, da reflexão acerca da sociedade civil e de suas instituições e, até mesmo, do papel da ciência dentro de uma lógica interpessoal.

Segundo o pensador, toda manifestação empírica do comportamento humano deve ser estudada de acordo com as causas internas que a influenciaram, levando em consideração sua função e suas necessidades inerentes. Dessa forma, para ele, os finalismos não devem constituir a explicação dos fatos sociais, apesar dessa tarefa ser árdua, uma vez que contraria o pragmatismo arraigado em várias comunidades, como se observa atualmente no século XXI: a "modernidade líquida" visa o resultado, desconsiderando todo o processo, o que contribui para a perpetuação da chamada "ética do atalho".

Nesse sentido, Durkheim também discorre acerca da sociedade civil. Na visão dele, "cada sociedade é o que é por si mesma", ou seja, cada grupo de pessoas, cada comunidade, possui características distintas e particulares que a diferenciam das demais. Esse ponto de vista, entretanto, contraria aquele defendido por Comte, por exemplo, que assume características comuns e tangentes a todos os conjuntos de sociedade; a primeira visão é relativista, ao passo que a segunda, universalista.

Além disso, reflete-se sobre as instituições e a ciência dentro desse contexto. Durkheim assume o fato de as intituições também serem frutos de causas eficientes, vinculadas, de alguma forma, ao cenário social em que se inserem. A ciência, dentro desse panorama, contribue para transformar as relações pessoais vigentes, dado que, para o autor, todo fato social origina um outro fato social. Assim, modificações funcionais podem acontecer de tempo em tempo sem que, porém, as aparências sejam obrigatoriamente alteradas.

Bruno Medinilla de Castilho (1º ano - matutino).





Nenhum comentário:

Postar um comentário