Total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de junho de 2015

A alternativa ao suicídio

     O suicídio é, segundo Durkheim, "todo o caso de morte que resulta, direta ou indiretamente, de um ato, positivo ou negativo, executado pela própria vítima, e que ela sabia que deveria produzir esse resultado". Conforme o sociólogo, cada sociedade está predisposta a fornecer um contingente determinado de mortes voluntárias, e o que interessa à sociologia sobre o suicídio é a análise de todo o processo social, dos fatores sociais os quais agem não sobre os indivíduos isolados, mas sobre o grupo, sobre o conjunto da sociedade.
     No pensamento do autor, a sociedade se sobrepõe ao indivíduo e, por meio dos fatos sociais, impõe seus ditames de forma a erradicar qualquer resquício de personalidade individual. O indivíduo, nesse contexto, se dá conta disso e compreende-se como desprovido de objetivo e significado, uma vez que há uma "ausência da sociedade" na vida do indivíduo. O resultado disso, como disse Durkheim, é a morte voluntária, causando o fim da vida de um ser alheio ao organismo vivo chamado de sociedade.
     Contudo, essa solução tão analisada por Durkheim para os patológicos fatos sociais pode não ser a única possível. O filme Into the Wild ilustra muito bem essa situação. O mesmo, baseado em fatos reais, conta a história de um jovem americano que, não adequado e cansado das imposições e hipocrisias da sociedade de sua época, decide abandonar as coisas que o ligam ao mundo no qual vive e passa a habitar não à margem da sociedade, mas fora dela, numa luta contra a falta do "ser humano" em sua vida. Enfim, numa busca de sua identidade tão mascarada pela cinzenta sociedade homogênea.


Renan Djanikian Cordeiro
1º ano do Direito Noturno

Aplicabilidade das teorias durkheimianas
     O sociólogo francês Èmile Durkheim em sua obra As Regras do Método Sociológico” expõe conceitos acerca dos fatos sociais, que são caracterizados como gerais, externos e coercitivos. Além disso, aborda não somente o significado, mas também explora mecanismos para explicar sua origem e sua função na sociedade. Dessa forma, a função assumida por ele pode ser definida por manter a própria causa da qual deriva, e ainda, está relacionada com o organismo social como um todo, e não apenas com um indivíduo.
        As causas sociais podem ser explicadas como um elemento que explica os fatos sociais a partir das funções que estes exercem no meio social. Com isso, tem-se como exemplo um crime com sua respectiva punição.       
       A partir da leitura das teorias durkheimianas tem-se que alguns elementos são permanentes, como práticas e instituições que estão enraizadas nos indivíduos compondo a sociedade. Sob esse aspecto, o caráter conservador - no que se refere à interpretação desse termo na história brasileira- embora alguns desses “costumes” possam ter mudado seus aspectos externos, seu conteúdo permanece o mesmo. Assim, o racismo ou a discriminação contra o negro decorrente dos humilhantes anos da escravidão, não pode ser visto de forma isolada, mas considerando a ideia de que um fato social está sempre atrelado a um anterior. No caso, tal preconceito mesmo que tido como oculto, ainda persiste.
                                    
http://centraldastiras.blogspot.com.br/2010/10/mafalda-preconceito-racial.html
      O ponto principal do estudo de Durkheim acerca dos fatos sociais que sempre de forma persistente ao longo da evolução humana é a coercitividade do meio sobre ele mesmo. Vivem-se sobre ditames impostos, como exemplo o casamento, que tornou-se algo implícito mesmo que contra princípios pessoais que abominem tal instituição. Cria-se um plano de vida tal qual um fluxograma, isto é, os pontos “passo a passo” para elaborar um projeto final. Como Quino retrata na seguinte tirinha:                                                                                                                                             

          Dessa forma, a aplicabilidade dos conceitos difundidos por Durkheim na atualidade é um mecanismo para interpretar determinados atos humanos, como indivíduo ou como um organismo social.


Gabriela Cabral Roque
1º ano- Direito diurno
Introdução à Sociologia