Total de visualizações de página

sábado, 25 de abril de 2015

A Barreira do Invisível


“...a observação não ultrapassa os aspectos visíveis das coisas, sendo exígua ou nula a observação das invisíveis. Também escapam aos homens todas as operações dos espíritos latentes nos corpos sensíveis. (...) Até que fatos, como os dois que indicamos, não sejam investigados e esclarecidos, nenhuma grande obra poderá ser empreendida na natureza”. 
Francis Bacon - Novum Organum

Em sua obra Francis Bacon defende a importância da experiência como guia da razão, e não o inverso. Ele crítica veementemente os clássicos gregos, como Aristóteles, quando estes partem da suposição, da inventividade enganosa da mente para formular suas teorias, e só então buscam a comprovação através da experimentação. Bacon, inserido em seu contexto histórico, enxerga na busca por experimentação aquilo que deve guiar o cientista, para que depois de analisar a realidade formule teorias para explicá-la.
No entanto, Bacon reconhece a limitação dos sentidos humanos, e por isso as descobertas sofreriam dificuldades em avançar. Mas o que ele não pode vivenciar foram os progressos tecnológicos que permitiram ao homem superar seus sentidos. Através da instrumentação cada vez mais sofisticada, o ser humano pode continuar desvendando os mistérios da natureza. 
Como exemplo podemos citar a descoberta dos planetas-órfãos, um objeto de massa planetar, que vaga pelo espaço sem orbitar uma estrela. Eles só foram descobertos a pouco tempo, graças ao uso de luz infra-vermelha.
Portanto a recomendação de Bacon não deixa de ser importante em nossos dias, de fazer uso da experimentação para nos auxiliar no avanço da ciência. Todavia é importante ressaltar que o discurso desse pensador, é, em alguns casos, um tanto exagerado. A exemplo a matemática, que utiliza muito a abstração tão rejeitada por Bacon. Embora possamos ignorar, essa ciência contribui de maneira vital no avanço do bem-estar da sociedade, algo que Francis frisa em seus textos, e que faz muito sentido: a ciência deve ser desenvolvida para o bem de todos. No entanto, esses avanços podem ser indiretos, como pesquisas que resultam em ciência pura, o que não muda a vida das pessoas diretamente, mas fornece uma fundação sólida para que outros desenvolvam a ciência que estará acessível a população de um modo geral.

Jansen R. Fernandes
Direito Diurno

Bacon e o Empirismo: do acaso à morte

       Francis Bacon, filósofo londrino que viveu durante o século XVII, é considerado um dos fundadores da ciência moderna. Sua contribuição no pensamento científico baseia-se no empirismo, que em oposição ao racionalismo (conhecimento através da razão), afirma que o verdadeiro conhecimento é adquirido através de experiências sensoriais, observações feitas através dos sentidos. Apesar de serem opostas, as teorias do racionalismo e do empirismo se complementaram formando a base da ciência moderna, o pensar e o sentir usados para transformar o mundo, domar a natureza. Bacon, além da experiência empírica, reconhecia a importância do racionalismo, porém, para ele, a observação empírica e o acaso tem sido mais úteis ao homem que o idealismo dos antigos, como fica explícito no aforismo VIII de sua obra Novum Organum : "Mesmo os resultados até agora alcançados devem-se muito mais ao acaso e a tentativas que à ciência. Com efeito, as ciências que ora possuímos nada mais são que combinações de descobertas anteriores. Não constituem novos métodos de descoberta nem esquemas para novas operações."
        Partindo desse aforismo, podemos perceber que várias descobertas e invenções que vieram após elas ocorreram ou pelo acaso ou pela experimentação, ou seja, basicamente experiências sensoriais e observação, bases do empirismo. O que seria do conhecimento celular se Robert Hooke não tivesse observado pedaços de cortiça em um microscópio? O que seria do microscópio se dois fabricantes de óculos não tivessem pelo acaso deparado com o conceito físico de ampliação e inventado o primeiro aparelho em 1591? O que seria da medicina moderna sem a invenção do microscópio, da descoberta da célula e das inúmeras observações empíricas que sucederam esses acontecimentos? Um dos maiores exemplos da união tripla de ciência, empirismo e acaso é a história da eletricidade, passando de Tales de Mileto até a atualidade, que vem se desenvolvendo constantemente com diversas descobertas e aplicações.
         Mas os sentidos e a observação não apenas servem para transformar a natureza, como propunha Bacon, mas também para estudar conceitos humanos que a muito são vistos com noções metafísicas, conceitos que conseguimos compreender mais pelo empirismo do que pelo racionalismo. Dentre eles podemos citar a fé, o amor, o medo e até mesmo a própria razão. Mas vamos nos concentrar em um deles que é menos abstrato: a morte. O que é a morte? Sem dúvida muitos usaram e usarão a razão, conhecimentos religiosos, idealismos e a metafísica para explicá-la, mas somente aqueles que sentem sua aproximação compreendem seu verdadeiro significado, apenas aqueles que sentem a perda causada pela morte sabem seu efeito, apenas aqueles que observam podem entender suas causas e apenas aqueles que de certa forma convivem com ela sabem o valor do sentido da vida. Não há dúvidas, para descobrir, inventar, compreender e fazer ciência é necessário sentir e observar, é necessário ser empirista.
 
                                                                                                Alexandre Roberto do Nascimento Júnior
                                                                                                1º ano Direito - diurno
                                                                                                Introdução à Sociologia - Aula 03

Da fundação da Ciência Moderna...

    Desenvolvimento da ciência.Esta sentença resume o principal legado de Francis Bacon,filósofo inglês,nascido no contexto do renascimento cultural e que foi o "pai" do empirismo inglês(conhecimento adquirido através das experiências),além de grande incentivador do método indutivo e da utilização do saber como forma de dominação da natureza.Por tais fatos listados, e mesmo sendo estes apenas alguns,pode-se assim observar a sua grande contribuição para o incremento tecnológico que nos chega até os dias atuais.
   A partir disso,deve-se ressaltar a clara oposição ao grego Aristóteles,o que se deve,segundo o ensaísta, á escassez de experimentos,métodos,técnicas em sua obra,quando,na verdade, deveria se fazer o procedimento contrário,ou seja,dirigir a instrução a fim de se atingir um determinado objetivo, que também seja prático e passível de aplicação.Tal conjuntura pode ser observada na seguinte citação: ..."Aristóteles que de tal modo submete a sua filosofia natural á lógica que a tornou quase inútil e mais afeita a contendas".
   Dentro deste contexto,fica claro visualizar a grande contribuição de Bacon aos dias atuais, o que pode ser visualizado nos ramos de pesquisa&desenvolvimento e ciência&tecnologia; que crescem exponencialmente no mundo globalizado.Isto remonta a superposição da experiência sobre a razão,feita pelo inglês,além da instauração de um método,que seria o indutivo,para guiar a mente e através de experimentos e tentativas chegar a um fim.
    Nesse ínterim,evidencia-se também e mantém concomitância com o exposto acima,a objeção do político inglês no que se refere a utilização da ciência como instrumento de poder de dominação e transformação do meio natural,visivelmente clara no título de sua obra "Novo Organum"(Novo Instrumento), e na sua célebre citação "Saber é Poder".Tal fato pode também contribuir para explicar a destruição da natureza verificada na Europa nos anos posteriores e, que depois se expandiu para o restante do mundo e continua presente nas sociedades até o momento vigente,em um extermínio do ambiente natural por técnicas cada vez mais modernas numa busca desenfreada pelo lucro,esta última advinda com a ascensão do capitalismo.
  Dessa maneira,sendo ao mesmo tempo incentivador da ciência e fomentador da destruição ambiental,Francis Bacon foi um filósofo insigne ao fundar a ciência moderna,e , assim,deixar um enorme legado para os outros subsequentes empiristas.
                                         
                                             Maria Izabel Afonso Pastori. 1° Ano -Direito Noturno.


Abstração científica e valoração


           "Não há nenhuma solidez nas noções lógicas ou físicas.Substância,qualidade,ação,paixão,nem mesmo ser,são noções seguras"-Francis Bacon-Aforismo XV-Novum Organum


    Antecedido por uma época de filosofia dogmática,Francis Bacon teve a coragem de questionar o terreno em que pisava como cientista.Dos próprios sentidos a pautas complexas como o ser,tudo está fundado em bases pouco estáveis e abstração.Para Bacon,a ciência deve ser fundamentada em técnica,prezando pela praticidade do conhecimento e distando-se o máximo possível do desgaste cerebral  vão tão presente em autores clássicos que discorrem sobre os elementos e do estoicismo tão cheio de certezas.Pela importância na renovação da filosofia,é tido como "Fundador da ciência moderna".O autor atribui a culpa das distorções científicas feitas pelo homem nos ídolos,falsas percepções da realidade que,ao serem postas de lado,levarão o homem à verdadeira ciência.
   
     Não  distante do pensamento baconiano acerca dos ídolos,nota-se,especialmente nas ciências humanas uma crescente valoração que polariza o saber de maneira negativa e pouco progressista.Valores como esquerda X direita,ocidente X oriente ou Norte X Sul ainda hoje limitam a universalidade do conhecimento,cobrindo a verdade com uma densa névoa de incertezas e preconceitos regida pelo uso do Senso Comum.Segundo Bacon,o senso comum forma-se a partir das deduções pessoais e da influência inata dos ídolos sobre o homem de mente fechada,ignorando totalmente o processo epistemológico baconiano(contemplar e explorar) e o empirismo por ele proposto.Do senso comum derivam estereótipos que se arraigam,incompatíveis com as incertezas da ciência verdadeira.

Diego Franco Veloso--1o ano Direito Noturno

O domínio sobre as forças da natureza

A fim de ilustrar o raciocínio baconiano, cujo intuito é melhorar a condição humana fundamentado no princípio de exercer o domínio sobre as forças da natureza  por meio de descobertas e invenções científicas, é possível correlacionar seus preceitos ao desenvolvimento da agricultura, uma vez que o método indutivo proposto por Bacon refere-se à observação e da experimentação regulada pelo raciocínio indutivo. O conhecimento verdadeiro é resultado da concordância e da variação dos fenômenos que, se devidamente observados, apresentam a causa real. Desta forma, alguns indivíduos de povos caçador-coletores, provenientes do período neolítico, notaram por meio da observação que alguns grãos, os quais eram coletados da natureza para a sua alimentação, poderiam ser  semeados a fim de produzir novas plantas iguais às que os originaram.
Bacon pregava que o conhecimento cientifico daria à humanidade poder sobre a natureza, abrindo caminho para a prosperidade, o progresso social e o bem-estar humano. Para isso, advertia os cientistas quanto à necessidade de adotarem uma cuidadosa atenção aos fatos da natureza. A prática da agricultura permitiu o aumento da oferta de alimento, as plantas começaram a ser cultivadas muito próximas uma das outras. Isso porque elas podiam produzir frutos, que eram facilmente colhidos quando maduros, o que permitia uma maior produtividade das plantas cultivadas em relação ao seu habitat natural, levando a formação de aglomerados humanos com muito maior densidade populacional.
Ao longo do tempo as práticas agrícolas foram evoluindo devido ao advento de utensílios que facilitavam o cultivo, permitindo um crescimento exponencial da produtividade. Uma das maiores conquistas da agricultura contemporânea foi a invenção dos transgênicos, que permitem aumentar a produção, diminuir os custos, facilitar o manuseio, produzir alimentos com melhores qualidades, bem como a mecanização o faz. 
Francis Bacon afirma: ''Se os homens tivessem empreendido os trabalhos mecânicos unicamente com as mãos, sem o arrimo e a força dos instrumentos, do mesmo modo que sem vacilação atacaram as empresas do intelecto, com quase apenas as forças nativas da mente, por certo muito pouco se teria alcançado(...)''.




Juliete Araujo Zambianco
1º ano - Direito Noturno
Introdução à Sociologia - Aula 03


Rompimento científico, abandono de “cavernas"
                                                                                                          
       A proposta de René Descartes em sua obra “Discurso do Método” é apresentar a razão como meio de explicar o mundo e como guia do homem, além de propor regras para bem conduzir o espírito em busca da verdade. Já o filósofo Francis Bacon aponta por meio do método de raciocínio indutivo desvendar a natureza e explicar o mundo a partir da experiência, guiada pela razão. Além disso, o título da obra baconiana refere-se a uma contestação à obra de Aristóteles (“Organum”,que pode ser entendida como “instrumento”), que apresenta caráter contemplativo ou dedutivo como tentativa de explicar a natureza. Desse modo, o intuito de Bacon, em sua obra “Nova Organum”, é propor um novo método de vertente indutiva para guiar o homem no desbravamento da natureza.
       Bacon, na obra em questão, aborda a ideia de que o intelecto humano é como um espelho, ou seja, reflete de forma desigual os raios das coisas e, com isso, as distorce e as corrompe. Nesse contexto, o filósofo critica o mero exercício da mente sem que haja a consideração da realidade, isto é, sem a construção de conhecimento factível. Isso deve-se ao fato de o espírito humano estar sujeito a múltiplas perturbações, o que é apontado pelo autor como acatalepsia, que é uma perturbação mental. Com isso, propõe a regulação da mente por meio da experiência.
        A critica presente na obra em relação à filosofia grega relaciona-se com a citação de que “ não há um único experimento de que se possa dizer que tenha contribuído para aliviar e melhorar a condição humana”. Por exemplo, o silogismo de Aristóteles, que a partir de duas premissas, uma maior e outra menor, e uma conclusão, atinge um objetivo por meio de raciocínio dedutivo. Além de criticar o método grego da retórica, que embora articule bem as palavras, não as transforma em obras concretas.
       É válido ressaltar ainda, no que se refere à filosofia grega, a inovação por parte de Bacon em alterar a forma de pensar, já que propõe um método diferente do aristotélico utilizado até então. A revolução para a ciência moderna, ou seja, o método indutivo, pode ser considerado como uma forma de avançar no campo da ciência ao realizar um estudo investigativo dos fatos. Assim, pode-se relacionar analogamente ao feito de Prometeu, deus da mitologia grega que lutou pelo bem-estar dos homens, como o fato de ter roubado o fogo para o uso comum e ter forçado que a natureza se revelasse.
       No que se refere aos ídolos, que são falsas percepções do mundo, além dos ídolos da tribo, do teatro e do foro (ou feira), têm-se os da caverna, que estão vinculados aos tipos de relações do homem com o mundo em sua volta, além de estarem relacionados com a formação inicial e a origem de cada indivíduo. Desse modo, pode-se destacar o "Mito da Caverna", de Platão, apresentado em sua obra intitulada “A República”, que mostra a característica humana em temer ao novo, no caso, o temor de sair da caverna e se deparar com o desconhecido. Platão retrata na obra referida a permanência do indivíduo no “mundo inteligível”(dentro da caverna, mundo das sombras) ao negar conhecer o “mundo sensível”(fora da caverna, mundo das luzes). Assim, há uma relação metafórica com o medo do homem contemporâneo em deixar sua “caverna” (zona de conforto) e se deparar com as mazelas do mundo, como a forma que a política, em especial a brasileira, encontra-se, e esperar alguma mudança feita pelas mãos de outros.
        Assim, conclui-se que o método proposto por Francis Bacon, embora muito criticado, contribuiu de forma grandiosa para a ciência moderna por ter rompido com a forma contemplativa de Aristóteles. Ainda, percebe-se a importância de exercer o pensamento de modo a desvendar os mistérios que cercam os homens em geral. Além disso, ao relacionar as ideias indicadas pelo autor na obra com o contexto atual, há a necessidade de abandonar “cavernas” e enfrentar os obstáculos para atingir melhorias para o meio comum. 

Gabriela Cabral Roque 
             1º ano - Direito Diurno
             Introdução à Sociologia - Aula 03 


A castidade de Francis Bacon

Em entrevista ao programa Abertura, da extinta TV Tupi, no ano de 1979, o antropólogo e escritor mineiro Darcy Ribeiro faz duras críticas à geração acadêmica então existente no Brasil, alegando e denunciando a falta de atuação por parte dos intelectuais e estudiosos das universidades na época. Darcy caracteriza aquela classe de cientistas sociais como infecunda, por estar mais interessada em reproduzir as falas de consagrados pensadores para formular discursos tidos por inteligentes do que observar a realidade social brasileira e assim poder intervir de maneira positiva e construtiva no contexto político de então.
O apontamento de Ribeiro evidencia a contemporaneidade do pensamento de Francis Bacon, visto que a crítica do escritor brasileiro ao referir-se à geração setentista de intelectuais pode ser posta em paralelo com as restrições feitas pelo pensador inglês em relação ao procedimento dos gregos antigos na elaboração de sua filosofia. Em ambos os julgamentos a condenação é direcionada à fartura em palavras em detrimento da efetiva realização de obras, ou, nas palavras do próprio Darcy, à masturbação teórica - a qual, além de prover tanto prazer quanto a física, ainda resulta na exaltação dos indivíduos que a proferem.
Transpondo reflexões dessa ordem para um contexto ainda mais atual, é possível verificar nas tão frequentes andanças pelas redes sociais um surto pandêmico de 'lascívia teórica', tendo em vista a necessidade de autoafirmação presente no ambiente virtual. Acometidos por tal ímpeto luxurioso, os usuários, em sua maioria, tendem a aliviá-lo utilizando - não pela primeira vez - o infrutífero recurso da masturbação teórica e esbanjam, assim, uma suposta bagagem cultural e seletos raciocínios especulativos a fim de causar impressões no próximo. E mesmo sabendo da diminuta dimensão prática e efetiva de tais abstrações, persistem no erro de elaborá-las, seguindo assim a tradição milenar da humanidade de ceder aos impulsos que a mente tem de deixar-se guiar por si mesma.
Não é difícil, pois, entender por que Bacon concebia que seus princípios para um conhecimento válido e pragmático somente seriam seguidos por alguns espíritos idôneos e capazes, castos o suficiente para não serem seduzidos pelo onanismo da teorização vazia e infrutífera.

André Rodrigues Pádua
1º ano - Direito diurno
Introdução à Sociologia - Aula 03




O empirismo de Bacon

O empirismo de Bacon

A ciência moderna tem como seus pilares Descartes e Bacon, grandes filósofos que baseavam suas teorias na necessidade de explicar a natureza íntima das coisas da forma como ela é, adicionada a transformação do mundo. Francis Bacon (século XVII) criou seu método; que consistia em estabelecer os graus de certeza, determinar o alcance exato dos sentidos e rejeitar o labor da mente; baseado no empirismo.
Para ele, há dois métodos: um destinado ao cultivo das ciências e antecipação da mente, e outro destinado à descoberta da ciência e interpretação da natureza. As antecipações da mente são bases para o senso comum e possuem fácil aceitação. Já os verdadeiros filhos da ciência, preocupados com a vitória sobre a natureza buscam a descoberta científica e compreensão da natureza. O principal obstáculo ao avanço da ciência são os equívocos dos sentidos, por isso, a compreensão das matérias invisíveis a eles deve ser alcançada.
Bacon se opõe a Aristóteles ao afirmar que para existir ciência deve existir experimentação, e que a razão deve ser escrava da experiência (sistematizar os elementos essenciais), ou seja, que o fator chave da razão é a observação e interpretação do mundo. Ele busca saber a essências das coisas e superar as antecipações da mente, e vê a ciência como transformação do mundo, que necessita vencer as convicções a partir da investigação.
Para que a ciência seja feita é preciso evitar os ídolos, ou seja, as falsas percepções do mundo. Os ídolos de Bacon são quatro, e podem ser observados até hoje. O primeiro é o ídolo da tribo, que está relacionado às falsas noções do ser humano como indivíduo, assim como o recorrente preconceito e discriminação entre etnias. O segundo é o ídolo da caverna, e diz respeito às relações do homem, podendo ser vista no convívio familiar dentro da nossa própria casa. O terceiro é o ídolo da foro (feira) e se refere à influência das associações que o homem participa, exemplificada pela influência que as instituições religiosas tem sobre os seus fiéis. O quarto e último ídolo é o ídolo do teatro, que se vincula às representações teatrais, observadas nas superstições que os homens acreditam, como por exemplo passar embaixo da escada da azar, quebrar o espelho traz 7 anos de azar, entre outras.
Concluindo, devemos nos afastar dessas percepções equivocadas do mundo e utilizar a experiência para alcançar a verdadeira ciência que Bacon tanto almejava.

Amanda Barbieri Estancioni
1º ano - Direito matutino
Introdução à sociologia - Aula 03

Bacon: a experiência, a razão, o intelecto humano e seus ídolos

Em Novo Orgum, Francis Bacon formula toda uma tese sobre como e por que o conhecimento deve ser baseado na experiência, sendo ela a melhor forma de se alcançar a verdade. A partir da premissa de que ''nenhum saber é absolutamente seguro'', o autor desenvolve um novo método para se obter maior grau de certeza. 
Primeiramente, devemos rever nossa postura diante de diversas coisas, como os métodos antigos, a filosofia e a ciência. Para o autor, é necessário ter mais respeitos com os antigos, pois só avançamos graças ao caminho aberto por eles, além de que as coisas novas só são compreendidas por comparação e analogia às antigas. Dessa foma, a glória deles deve permanecer intacta. Sobre a filosofia, é preciso aceitar que ela não é acessível ao homem comum e nem serve ao seu bem-estar, uma vez que não podemos encaixar o mundo em nossas ideias. Já a ciência, a partir de uma concepção burguesa, é um instrumento do homem de transformar e dominar a natureza, sendo um meio essencial para qualquer empreendimento. Mas para isso é fundamental liberta-la da concepção de mero exercício da mente. 
Assim sendo, ele desenvolve dois métodos de alcançar a razão, através da geração e propagação de novas doutrinas, a Antecipação da mente e a Interpretação da natureza. O primeiro consiste no cultivo das ciências , através de um conhecimento contemplativo, umas vez que elas são como retratos de descobertas anteriores. Ele é mais superficial por se basear em eventos familiares, e justamente por isso é mais fácil de entender e aceitar, tornando-se a base do senso comum. Já o segundo método tem como base do conhecimento a exploração e a experimentação das coisas, sendo fundamentado na descoberta cientifica. Este exige que os indivíduos se dediquem em vencer a natureza e realmente encontrar a verdade.
A partir disso, o autor faz uma série de críticas a lógica humana. Para ele, nossos sentidos e intelecto são inferiores à natureza, nossa lógica mais serve para consolidar erros do que para encontrar a verdade, e tantos as noções lógicas quanto as físicas são fantásticas e mal definidas por se basearem na indução da mente e não na experiencia. Isso porque nossa mente é bloqueada por ídolos (falsas percepções do mundo), que nos impedem de alcançar a verdade e instaurar as ciências. Existem 4 tipo de ídolos: os da tribo (distorções da mente), os da caverna (influência do mundo a volta), os do foro/feira (influência das relações comerciais, pessoais e sociais) e os do teatro (baseados em equívocos e superstições). Nosso intelecto possui a tendência de encontrar mais ordem e regularidade nas coisas do que realmente elas tem, aceitar mais facilmente eventos afirmativos, receber influência da vontade e do afeto, e ainda, apegar-se à ciência por ser seu criador ou associa-la a suas fantasias. Por tudo isso ele afirma que para encontrarmos a verdade é fundamental se basear na experiencia, que consiste naquilo que realmente acontece, e não apenas no que nossa mente nos sugere.
Isabela- 1o semestre- Diurno.

Bacon e a natureza

           Francis Bacon propôs um novo método de se buscar conhecimento que deu forma ao que conhecemos hoje por ciência moderna. Contrariando e criticando a filosofia grega ao afirmar que se preocupavam demais com dialética e pouco com experimentos (“Os gregos... são incapazes de gerar, pois sua sabedoria é farta em palavras, mas estéril em obras”) ele demonstra a essência do seu novo método: A experiência como forma de interpretar o mundo e guiar a razão. Fugir do senso comum empírico é essencial para a utilização desse novo método. A necessidade de buscar e investigar aquilo que é invisível aos olhos, imperceptível aos sentidos e embaçados pela superstição, logo, “Não deixar que a mente se guie por si mesma” é fundamental para essa nova ciência; considerando que ciência útil é somente aquela que consegue “vencer a natureza”, ou seja, transformar o mundo a sua volta. Portanto, um instrumento para se conseguir descobertas científicas e não apenas o cultivo da ciência.
         
          Tal método foi amplamente difundido entre a burguesia que, no contexto histórico da obra, estava em sua ampla ascensão. A ideia de “dominar” a natureza era um objetivo e alguns acreditavam na possibilidade de alcance desse objetivo. Em plena revolução industrial, o meio ambiente foi alvo da sede de lucro dessa burguesia que tinha convicção que os recursos naturais pudessem ser controlados pelos seres humanos. Porém, pode ser visto hoje como essa visão era equivocada, lutamos constantemente pela preservação da fauna e flora do planeta. Não se pode vencer a natureza.

Em vista disso, considero os pensamentos em “Novum Organum” pretenciosos e um pouco exagerados; Todavia, compreensíveis dado o contexto histórico da obra. Correto em criticar o método dedutivo da filosofia tradicional, se opondo a ídolos e ao senso comum e trazendo a sociedade um método mais investigativo e rigoroso de se produzir conhecimento.
                          Eric Felipe Sabadini Nakahara
1˚ ano - Direito (diurno)
Introdução a Sociologia - aula 3

Bacon e sua influência na sociedade contemporânea

A ciência vem se modificando ao longo dos séculos, cada vez mais alcançando novas conquistas e avanços para a sociedade global. Um grande avanço da ciência ocorreu com Francis Bacon, em sua obra, Novum Organum ou Verdadeiras Indicações Acerca da Interpretação da Natureza, na qual procura sanar a necessidade de se explicar a natureza íntima das coisas como eram de fato, tomando por base a experiência vivida para interpretar o mundo como ele é, usando essa experiência para guiar a razão.
Bacon propõe a ciência não como mera contemplação como os filósofos antigos costumavam fazer para exercitar a mente, mas como modificadora do mundo, para melhorá-lo, desenvolvê-lo. Assim, a ciência passou a ser tratada como ferramenta útil para o homem, principalmente, em seu tempo, para a então emergente burguesia, carente de um instrumento no processo civilizatório da sociedade.
Apesar de ter vivido no final do século XVI e início do século XVII, a obra de Francis Bacon possui grande contemporaneidade. Sua proposta está bem difundida nas sociedades do século XXI, como forma de busca do conhecimento de fato através da experiência. Imaginemos que uma pessoa decida aprender a andar e fazer manobras de skate, sem ao menos nunca ter experimentado algo do tipo, esta pessoa decide ver vídeos na internet com ensinamentos sobre como andar e manobrar, passa horas estudando afinco e decora todas as dicas e passos a serem tomados. Porém, ao primeiro contato como skate, perceberá que ainda não possui o conhecimento verdadeiro para o domínio desse esporte, que apesar de ter os passos a serem dados “gravados em sua cabeça”, não consegue fazer seu corpo agir conforme a teoria, assim, será necessário treino, até que possa ter experiência, para que essa guie a teoria conhecida, para aplica-la de maneira correta, para ter o verdadeiro domínio sobre o conhecimento dessa arte.

Este é apenas um exemplo do quão atual a proposta de Bacon é, podemos vê-la também nos experimentos químicos, físicos, nos testes de produtos das indústrias e até mesmo dentro de um tribunal judiciário, no qual, mesmo se o jurista tiver decorado todo o Vade Mecum (se é que isso seja possível), não conseguirá êxito se não possuir a prática adquirida com a experiência.


Gabriel Magalhães Lopes
1º ano de Direito Noturno 

A experiência de Bacon

  Pautando-se pela experiência como forma de interpretação da ciência, Francis Bacon inovou no conhecimento ao interpretar o mundo de modo diferente dos filósofos antigos, partindo-se principalmente pela comprovação de fatos e não apenas pela observação destes, como fazia os sofistas, por exemplo. O filósofo inglês propõe em sua obra Novum Organum, que o homem habitue-se a complexidade das coisas através da experimentação, saindo da falsa percepção do mundo, sendo representada pelo autor como “ídolos”. Todavia, a obra baconiana também foi um resultado da influência da sociedade em que o filósofo vivia, pois nota-se a presença da figura divina em seu método.
  É notável a transcendência do pensamento de Bacon inclusive na contemporaneidade. No campo cinematográfico, o filme Sociedade dos Poetas Mortos, de 1989, dirigido por Peter Weir, exemplifica o método baconiano por meio de um professor de literatura que propõe experiências de pensamento para seus alunos, saindo do modo passivo de aprendizado que é tão visto na atualidade, principalmente na educação brasileira. Já no campo científico, notabiliza-se o uso de microscópicos que ampliam os sentidos humanos para o estudo de alguma matéria, sendo um exemplo da metodologia experimental proposta por Bacon.
   Dessa forma, Francis Bacon ao associar a ciência ao conhecimento da essência das coisas, alterou o curso da história, pois saiu do conhecimento contemplativo dos séculos XVI e XVII e passou ao método de experiências e explorações que se tornou base para os séculos seguintes, sendo, portanto, inovador e influente na ciência experimental, mas também, em toda a sociedade.

Lara Costa Andrade
1º ano de Direito (Diurno)
Aula 3

A política brasileira e a "antecipação da natureza"


“O intelecto humano, quando assente em uma convicção (ou por já bem aceita e acreditada ou porque o agrada), tudo arrasta para seu apoio e acordo. E ainda que em maior numero, não observa a força das instancias contrárias, despreza-as, ou, recorrendo a distinções, põe-nas de parte e rejeita, não sem grande e pernicioso prejuízo”
Francis Bacon

   Atualmente, com o sistema político representativo, supõe-se que toda a população brasileira acima de 18 anos, com algumas exceções, tenha permissão de voto e dessa forma possa fazer com que seus interesses sejam representados. Entretanto, há uma névoa de antecipações nesse cenário: A política brasileira, desde seus princípios, têm contemplado leis feitas por uma minoria em poder, que vem utilizando-se dos veículos de propaganda em massa, da manipulação do senso comum e através desses, incutindo a uma maioria, seus próprios preconceitos e vontades.
   Mas por que essa maioria da população raramente contestou tais ações? Qual é o cerne desse poder dos veículos de propaganda em massa que manipula tão facilmente o intelecto coletivo?
   Segundo Francis Bacon, considerado o “pai do empirismo”, o conhecimento humano pode ser iludido pelos chamados ídolos, falsas percepções de mundo, fundados na própria natureza humana. No caso da manipulação das massas, tudo começa com a construção de uma imagem de tal emissora, tal revista, fazendo com que a opinião popular confie nesses veículos (ídolo do foro e do teatro). Após essa consolidação de imagem, começa o bombardeamento de um discurso específico na mídia. Tal discurso é absorvido pelas pessoas, que transmitem isso a seus conterrâneos, e assim uma maioria da população edifica e internaliza um pensamento que não é seu, sem criticar ou analisar o teor do mesmo (ídolo da caverna, do foro, da tribo).
  O cenário em questão permite que absurdos sejam proferidos e executados na política do país, sendo a personificação de interesses particulares dos políticos um dos mais em voga. Claro exemplo disso foi a recente pronunciação “Vai ter que passar por cima do meu cadáver para votar” do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, sobre projetos de lei que abordassem o casamento homossexual e a descriminalização do aborto. Essa afirmação baseia-se nos interesses particulares do político em detrimento dos interesses de toda uma população que o mesmo representa. O mesmo também acelerou a tramitação de pautas polêmicas como a redução da maioridade penal e a terceirização da cadeia produtiva, duas medidas que possuem o interesse de lobbys específicos e que são veiculadas como positivas na mídia, a fim de que a massa populacional seja convencida a aceitá-las passivelmente.
   A internalização de percepções sem nenhuma investigação crítica, o intento temerário e prematuro, guiando-se apenas pelas impressões, faz com que haja apenas uma “Antecipação da natureza” pela maior parte da população, e não uma “Interpretação da natureza”, pela qual a investigação e experimentação seriam fatores primordiais para a construção do conhecimento, e nesse âmbito, o conhecimento de seus direitos políticos e reivindicatórios.

Mariana Ferreira Figueiredo
1º ano de Direito (Diurno)
Introdução à sociologia - Aula 03

Do mito grego de Orfeu à Francis Bacon: a escravização da natureza

Anos antes de propor seu Novum organum, o filósofo inglês Francis Bacon publicou um texto dedicado à compreensão dos mitos gregos, o qual denominou De sapientia veterum. Na obra, analisa especialmente o mito de Orfeu, filho de Apolo que, com sua música e poesia, controlava e desvendava a natureza.

Esse desejo pelo controle da natureza se traduziria fortemente na obra mais famosa do pensador, em 1620. No Novum organum, Bacon defende um modelo de ciência baseado na experiência e nos sentidos. A natureza seria um “código material”, o qual caberia à humanidade decifrá-lo, obrigá-lo a dar respostas, com o objetivo puro de alcançar-se o progresso. Tal ânsia por um novo método de organização do conhecimento partia principalmente da necessidade de superação da lógica aristotélica, que era basicamente contemplativa e, portanto, incapaz de amparar o domínio da natureza.

Um século depois, o ideal de submissão dos recursos naturais a favor do progresso humano se transformaria no pilar de uma grande mudança econômica, social e ideológica: a Revolução Industrial. Ao sugerir uma ciência técnica, em que o conhecimento e a busca pela inovação baseiam-se no controle da natureza, Bacon inaugura uma mentalidade que viria a ser responsável por um dos maiores problemas da atualidade, o esgotamento dos recursos naturais.

Claramente, não se pode negar a importância do método prático e investigativo do filósofo seiscentista para a ciência tal como a conhecemos hoje, bem como a atualidade de sua teoria dos Ídolos. Contudo, a mentalidade de escravização da natureza está indiscutivelmente esgotada. Não há mais, de forma alguma, espaço para ideias que coloquem o conforto humano como superior em detrimento dos recursos naturais. 

Lívia Armentano Sargi
1° ano - Direito diurno
Aula 3

Bacon: releitura de razão

O pensamento racional é objeto de estudo recorrente nas ciências -  exatas e humanas – devido a sua complexidade e por não ser um conceito hermético. À luz dessa afirmação, Francis Bacon apresenta sua teoria a partir de um viés inovador, tanto quanto o fez Descartes. Nesse sentido, o âmago da teoria baconiana, em Novo Organum, consiste na ênfase dada à investigação científica e – obviamente- à razão.

Na atualidade, tal realce é reiterado no campo jurídico, pois, vive-se a era em que a jurisprudência não depende somente do direito normativo. Pela experiência e observação de casos concretos, a lei e a prática tornam-se interdependentes. Exemplo disso seria a questão do estatuto da família, na qual, o fundamento legal (razão) está em desacordo com o contexto real (observação prática), já que, o conceito de família não se sustenta mais apenas nos moldes tradicionais, mas é hoje também protagonizado pelas relações homo afetivas não previstas em leis.

Conseguinte à perscrutação científica, Bacon aponta a importância da clareza e instrumentalidade na razão, colocando-as em oposição com a fantasia e a contemplação (herdada do mundo grego); julga assim, o método indutivo aplicável enquanto refuta o dedutivo. Desse objeto rejeitado é que provêm os ídolos, ou seja, as noções de mundo distorcidas. Tomando como referência um deles – ídolo da caverna – pode-se relacioná-lo ao cotidiano. Muitas das tradições em diversas culturas não se originam do método científico, mas meramente do empirismo. Dessa forma, a tradição pode ser motivação para a cegueira racional, para a alienação, devido à dificuldade de desprendimento de uma ideologia e aceitação de outra. Ocorre, assim, em estados teocráticos, como os islâmicos, nos quais, a predominância da religião tradicional, fomenta a repetição de axiomas tidos como verdades incontestáveis.


Em suma, no organismo social ocorre, desde tempos mais remotos, uma releitura do conceito de racionalidade. O cineasta Ingmar Bergman, em O Sétimo Selo, nos coloca frente a esse impasse razão x tradição, visto que, o filme aborda a relação de um indivíduo com a morte em uma época ladeada pela concepção cristã, cujo poder era irrefutável. Pela metáfora do jogo de xadrez entre a morte e um cavaleiro, expõe a ideia da razão em função da dúvida. Portanto, aí encontra-se a prova de tal releitura: um filme produzido em meados de 1950, retratando uma era medieval e lembrado até os dias atuais como um marco sobre o estudo da razão x a tradição, o empirismo e, no caso da teoria de Bacon, os ídolos. 

Ana Flávia Toller - 1º ano direito diurno - Aula 3.

As concepções de Bacon aplicadas ao Direito

            Francis Bacon e René Descartes foram indubitavelmente figuras essenciais na construção da ciência moderna – suas obras e mensagens serviram como pilares à construção de uma nova fase do conhecimento. Tenaz defensor do uso da razão, Descartes defendeu que o homem buscasse o conhecimento unicamente por meio de vias racionais. Francis Bacon, diferentemente de Descartes, discorre em sua obra Novum Organum acerca do papel central da experiência no processo de obtenção do conhecimento – o autor não despreza a necessidade de uma análise racional dos fatos, mas evidencia que esse procedimento, sem uma observação efetiva dos fenômenos do mundo, é pouco eficaz.
Ao expandir essa ideia até o campo jurídico, na atualidade, manifesta-se um questionamento: seria o uso da razão pura a melhor maneira de se conduzir o estudo e a prática do Direito? Ou o Direito deve ser guiado, simultaneamente, pela exploração da realidade e da razão?
Sendo o Direito uma ciência que, na prática, lida predominantemente com a sociedade, é, portanto, indispensável que se considere o processo de desenvolvimento dela – as mudanças sociais ocorrem a todo tempo, surgem novas demandas e novos hábitos, novas situações e diferentes contextos se materializam. Quando essas transformações ocorrem, o Direito busca se adequar – por esse motivo, fica evidente que não se pode utilizar somente da razão para guiá-lo. Como defende Bacon, a argumentação e a lógica, quando sozinhas, conduzem a conclusões que são muitas vezes errôneas ou superficiais. Assim, para que ocorra eficácia na condução do Direito, é preciso então que se considere a interpretação do mundo real (o que de fato acontece) para que depois possa se fazer uma análise racional da situação.
Com isso, é notar que, na contemporaneidade, cabe aos administradores do Direito analisar não somente o que é lei, o que são as normas, o que diz o texto, mas sim também considerar o que diz o mundo ao seu redor, a realidade e o contexto em que se insere, para que assim seja possível adequar-se às demandas daquela determinada sociedade.

Heloísa Ferreira Cintrão
1º Ano - Direito Diurno

Ídolos: Entrave ao Conhecimento



Juliana Previato Teixeira- 1º ano Direito Noturno

Método baconiano na poesia de Baudelaire.

Em 1840, T.S. Eliot, poeta modernista e, mais enfaticamente, crítico literário, introduz em seu ensaio Hamlet and His Problems o conceito de correlato objetivo, que seria mais tarde associado ao poeta francês Charles Baudelaire. Tal expressão consiste em, através da percepção do real, chegar sempre a um correlato objetivo para uma emoção ou sentimento que queremos exprimir – isto é, valer-se de analogias concretas para sentimentos abstratos.
O desejo pela representação da verdade sempre esteve presente na obra de Baudelaire, afastando-lhe dos romancistas. A dissonância, porém, toma corpo ao situar nos sentidos a bússola que aponta para a verdade. Baudelaire, separado por dois séculos de história, remonta ao método baconiano em suas obras ao valer-se dos sentidos para explorar a realidade que o cerca.

A natureza é um templo augusto, singular,
Que a gente ouve exprimir em língua misteriosa;
Um bosque simbolista onde a árvore frondosa
Vê passar os mortais, e segue-os com o olhar.”

Correspondências – Charles Baudelaire

A despeito da falta de rigorosidade científica, por se tratar de uma obra artística, o poema revela a influência da filosofia baconiana enquanto meio de se atingir a verdade. Enganam-se, porém, aqueles que imaginam tal “filosofia dos sentidos” como uma filosofia sem regras. Ao contrário de Descartes, que invalida o uso dos sentidos para a experimentação científica, por conta desses serem extremamente suscetíveis ao embaraço da enganação, Bacon prefere treiná-los para que se tornem aptos à boa investigação da verdade.
Partindo de uma visão realista, porém esperança, do homem, Bacon apresenta dois projetos de método que o novo homem da ciência pode seguir: a Antecipação da Mente e a Interpretação da Natureza. No primeiro, conserva-se tudo que há de bom e louvável da ciência; como um vinicultor, age com paciência e cuidado ao difundir as sólidas bases da nova ciência através de conceitos simples. O segundo caminho, porém, age com a altivez de uma ciência revolucionária, muitas vezes até parecendo incompreensível para o homem incauto por conta de sua aspereza e complexidade. Seria tolice esperar dos homens que todos seguissem o segundo projeto de método, pois esse causa ruptura com o conhecimento pré-estabelecido, não sendo facilmente acessível a todos.


Ademais, Bacon elenca uma série de vícios do homem que devem ser exauridos para que se possa fazer o uso correto dos sentidos. Chamando-os de “ídolos”, Bacon critica o uso incorreto da linguagem enquanto entrave para uma discussão aprofundada, as filosofias e crenças antigas que se instauram em nosso ser e atordoam os sentidos e a parcialidade que tira a honestidade do debate. Tudo isso corrobora para despir de pré-julgamentos o método baconiano, que pode parecer, a primeira vista, pouco rígido, mas que se revela como um verdadeiro curso de apuração dos sentidos.

Daniel Orpinelli - 1° ano, noturno.

Liberte-se

            Hoje tive um sonho bem estranho. Sonhei que estava em um jardim, sentado em um banco, um homem ao meu lado. Era um individuo meio esquisito, não parecia pertencer a este tempo. Tinha cabelos pretos até a altura do queixo, usava barba e bigode, na cabeça um chapéu.
            Ele se apresentou, seu nome era Francis Bacon. Nem preciso dizer como fiquei surpreso. Ele me disse:
            - Tenho o observado. Seus esforços para chegar a verdade nunca surtirão efeito se você não se livrar desses ídolos que o amarram a eterna inutilidade.
            - Ídolos? De que ídolos está falando?
            - Daqueles que lhe dá uma falsa percepção do mundo em que vive – percebendo minha confusão, ele prosseguiu – Você acredita que passar embaixo da escada trás azar. Mas que sentido isso faz? Esse é o ídolo da tribo, uma distorção provocada pela mente humana, uma incompetência dos sentidos.
            “Seu ídolo da caverna está ligado à criação extremamente rígida que teve, tanto em casa, quanto no colégio, onde tudo que o senso comum diz ser errado ou imoral é visto como pecaminoso.”
            “E sabe aquele seu amigo que está sempre tentando influenciá-lo sobre os mais diversos assuntos, de futebol a política? E você acaba sempre concordando com ele? Pois bem, esse é o ídolo do foro. Ou seja, aquele presente nas relações pessoais.”
            “E você adora Aristóteles, certo? Acha bonito como ele usa as palavras, e a partir da razão chega à experimentação. E tudo isso na sua mente parece fazer muito sentido. Mas me diga uma coisa: dá para trazer o que Aristóteles prega para a realidade material? Claro que não! Isso porque ele faz o caminho inverso para se chegar a real interpretação do mundo. A experimentação deve levar a razão, e não o oposto! Esse é o ídolo do teatro, representações teatralizadas da realidade, sempre carregadas de equívocos.”
            Sem dizer mais nada, ele levantou-se e desapareceu. Acordei me sentindo confuso, mas, de alguma forma, com a mente purificada. As amarras dos ídolos haviam se soltado e agora estava livre para experimentar, investigar, interpretar. Enfim, estava livre para buscar a minha real verdade.

Luiza Macedo Pedroso
1º ano Direito diurno