Total de visualizações de página

domingo, 9 de agosto de 2015

Ética protestante, capitalismo, igreja e hipocrisia

      Para weber, em sua obra “Ética protestante e o espirito capitalista”, o autor faz uma “linha do tempo” de como o capitalismo sempre se manifestou nas sociedades, porém se tornou dominante na Reforma Protestante. Na ideologia da igreja católica dominante na época feudal, o homem não é merecedor do prazer e devia se afastar do pecado, incluindo a usura e o lucro. Assim, como a igreja era contra a usura e a nova religião Protestante apoiava, a mesma conseguiu vários adeptos, uma vez que, quanto mais trabalho, mais dinheiro, resultando na prosperidade econômica, que, então, também estava atrelada a ideia de salvação. Vale ressaltar que, nessa época, o desenvolvimento econômico de uma nação estava atrelado à religião, por exemplo: Brasil foi submetido à colonização de Portugal, país católico; e o desenvolvimento norte americano se deu por colonizadores puritanos ingleses.
      Assim, como era necessário valorizar o trabalho, a poupança e o enriquecimento, Weber analisa que a ética protestante gerou um espirito capitalista determinante para a consolidação deste modo de produção até os dias atuais.
Para weber, deve-se olhar para o passado e para o futuro e compreender as conexões entre as ações. Assim, com essas informações, vale relacionar a dominação carismática e tradicional com influencia da igreja, sobretudo evangélica, na sociedade brasileira contemporânea do século XXI. Vê-se que o numero de igrejas vem aumentando cada vez mais e os discursos dos pastores estão atrelados ao enriquecimento, aos milagres, a salvação, etc. Contudo, para que isso ocorra, o fiel deve colaborar com o dízimo mensal – a lógica é: quanto mais doar, mais será salvo e beneficiado por Deus. Percebe-se a dominação carismática e a tradicional por parte dos oradores da igreja, uma vez que, por meio de seu discurso ideológico, conseguem “fisgar” diversos adeptos a religião, que é uma instituição social tradicional desde os tempos remotos, isso talvez seja explicado pela necessidade que o ser humano tem de se sentir seguro e protegido (re-ligado) por algo sobrenatural, como um deus, por exemplo.

      No método compreensivo de Weber, as ações devem ser vistas a partir de uma analise individual dos indivíduos para compreender o sentido delas a fim de relacionar o individuo com o coletivo. Em relação à dominação da ideologia evangélica sobre os indivíduos ,percebe-se que as ações sociais envolvidas são a tradicional e a racional para valores. É comum em sociedade a instituição família, que aos domingos – de manhã ou a noite – vai na igreja agradecer e orar para que dê tudo certo, inclusive financeiramente. O capitalismo está em todas as partes e todos estão se encaixando no sistema. Contudo, percebe-se a hipocrisia e desvio de valores de algumas instituições, por exemplo a igreja universal, que é um templo gigante, com estacionamento de shopping e que utiliza maquina de cartão para que os fieis paguem o dizimo. 

Mariana de Arco e Flexa Nogueira - 1ºDIREITO NOTURNO

Nenhum comentário:

Postar um comentário